sexta-feira, 22 de julho de 2016

ESPÍRITO OLIMPICO



ESPÍRITO OLÍMPICO

 

Estamos vivendo um momento único, todos voltados para o Espírito Olímpico Brasileiro, especialmente na Cidade do Rio de Janeiro. Nesse momento nos vem a sensação que muito de nós iremos e, por que não dizer a maioria do brasileiros, estarão na torcida e com o pensamento positivo , seja ao vivo na competições ou pelos telões espalhados pela cidade. Mas, por outro lado nós como atletas amadores cremos que temos boas possiblidades de ganhar boas medalhas sim, e em diferentes categorias nessa jornada.

 

Faltam poucos dias para o inicio!!!

 

Por outro lado, muitos de nós talvez não tivéssemos a real percepção que, já há muitos meses, anos talvez, vimos treinando sem perceber, o quanto todos somos também atletas urbanos. Nesse período olímpico, teremos vários esportes em exposição e, o tempo todo estaremos vibrando e torcendo junto e para o nosso País.

 

A seguir estaremos fazendo uma analogia metafórica, sugerir algumas categorias que acho mais reais por corresponderem ao nosso dia a dia de cidadãos brasileiros com possíveis chances de  conquistar medalhas.

  

·         - Uma primeira prova de meu ponto de vista seria de grande importância é corrida de obstáculos dos 100 metros do cheque especial, cartão de crédito, de contas a pagar e dívidas adquirida.

 

·         - Outra modalidade, corrida, podendo ser 100, 200, 1000 metros ou até uma maratona a mais realista e próxima de nosso viver, pelo nosso trabalho, conquistando a cada dia, novos clientes, pacientes, fazendo vendas, fechando novos negócios e sempre com o propósito olímpico de ganhar dinheiro.

 

·         - Na prova de Natação podemos nos candidatar ao estilo 100 metros nado de costas, para que o nosso passado não interfira no presente nas atitudes e comportamentos negativos . Outra variante seria nado 100 metros borboleta, para continuar nos transformando e poder crescer nessa atmosfera social de crise. No estilo crowl 100 metros, bom para nadar contra as emoções das raivas, impunidade social, da depressão, da impotência sobre a corrupção e contra o medo futuro após essa olimpíada e de toda essa euforia e maquiagem em nosso pais esta instalando, que possivelmente nos deixará nadando contra corrente.

 

·         - No remo talvez uma boa prova embora não sejamos “expert” seria skiff; 500 metros, remando contra o pensamento negativo desse consciente coletivo de frustação, remando contra os preços abusivos expostos e tentar manter o equilíbrio e o foco de nossa vida porque se sairmos do pensamento o barco afunda.

 

·         - No judô seria mais interessante observar do que participar, mas, no momento deveríamos ao invés de nos candidatarmos a competir; ficar no tatame observando atentamente o treinamento aprendendo para não levar rasteira de pessoas, parentes e amigos, a nos defender e dessa forma aprendermos a lutar contra nosso próprio sabotador interno.

 

Por isso meus amigos e amigas acreditem que no final dessa olimpíada iremos ganhar medalha sim, lembre-se que: sempre fomos e somos heróis e heroínas, a nossa história está aí para contar e provar embora na maioria das vezes não fomos ou, não somos valorizados ou reconhecidos, por isso se preparem treinem mais, firme forte e, com disciplina, que o ouro é nosso!!!.

Miguel Angel & Ismenia Woyame

 

terça-feira, 14 de junho de 2016

REFLEXÕES



REFLEXÕES

 A VIDA É UM BAILE DE MÁSCARAS.

 “A vida é um baile de máscaras, você afirma, e para você isso é material de diversão inexaurível, e até agora ninguém conseguiu conhecer você, pois toda revelação que você faz é sempre uma ilusão”.

Sua ocupação consiste em preservar seu esconderijo, e você é bem sucedido nela, pois sua máscara é a mais enigmática de todas.

De Fato você é NADA: Você é meramente uma relação com os outros e o que você é? Você é por virtude resultado dessa relação. (...)
Você não sabe que vem a hora de meia noite em que todos têm que lançar fora suas máscaras?

Você crê realmente que a vida se deixará zombar para sempre?
Ou talvez você pensa que pode escapar um pouco antes da meia noite para escapar disso?


Ou não fica apavorado com essa ideia? (...) Você consegue pensar em algo mais apavorante do que pode acabar acontecendo: Sua natureza se resolvendo numa multiplicidade, que você realmente pode se tornar muitos?

Se tornar, como aqueles infelizes demônios, uma legião, e assim perder a coisa mais sagrada e preciosa de um homem - o poder unificador da personalidade. "

Ismenia Woyame por Sören  Kierkegaard.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

ORAÇÃO AO DEUS DESCONHECIDO



                                        Oração ao Deus Desconhecido

Antes de prosseguir em meu caminho, e lançar o meu olhar para a frente uma vez mais, elevo, só, minhas mãos a Ti na direção de quem eu fujo.
A Ti, das profundezas de meu coração, tenho dedicado altares festivos para que, em cada momento, Tua voz me pudesse chamar.
Sobre esses altares estão gravadas em fogo estas palavras: “Ao Deus Desconhecido”.
Seu sou eu, embora até o presente tenha me associado aos sacrílegos.   
Seu, sou eu, não obstante os laços que me puxam para o abismo.
Mesmo querendo fugir, sinto-me forçado  servi-Lo.
Eu quero Te conhecer, desconhecido. Tu, que me penetras a alma e, qual turbilhão invades a minha vida.
Tu, o incompreensível, mas meu semelhante, quero te conhecer, quero servir só a Ti.
"Nietzsche"

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

INDIVIDUAÇÃO




Individuação
Ninguém pode construir em teu lugar
As pontes que precisarás passar,
Para atravessar o rio a vida.
Ninguém, exceto tu, só tu
Poderás passar.
Existem, por certo atalhos sem  números,
E, pontes e semideuses que se oferecerão
Para levar-te além do rio;
Mas isto te custaria a tua própria pessoa;
Tu de hipotecarias e te perderias
Existe no mundo um único caminho
Por onde tu podes passar.
Onde Leva?
Não perguntes, segue.  “Nietzsche”

domingo, 22 de novembro de 2015

FRAGMENTOS DE JUNG



                                             Nossas construções arquetípicas.
 
" o espírito não pode ser tábula rasa, pois a critica dos princípios do nosso pensamento esclarece que certas categorias de nosso pensamento são fornecidas a priori, isto é, antes de todas experiências, estando presentes simultaneamente com o primeiro ato de pensar, e constituído até suas prévias condições formativas. O que Kant demonstrou para o pensamento lógico, também é valido, e em muito maior grau... À psique... É verdade que faltam conteúdos concretos, mas as possibilidades continentes estão dadas a priori da própria experiência. São ideias ante rem, condições formais, diretrizes básicas traçadas a priori e que atribuem à matéria da experiência uma determinada configuração, de modo que, tal como Platão as concebeu pode-se pensa-las como imagens, como esquematizações, em certa medida, ou como possibilidades funcionais herdadas... Daí resulta que até a mais livre atividade do espírito, a fantasia, jamais pode ocorrer desenfreadamente... Fica sempre ligada a possibilidade previamente formadas, as imagens primordiais originais"
Jung. V. VI  § 356.

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

NOSSA CASA: REFÚGIO OU ESCONDERIJO?


NOSSA CASA: REFÚGIO OU ESCONDERIJO?

Há muito venho observando, mas, só recentemente comecei a me dar conta realmente de que nos dias de hoje uma grande quantidade de pessoas tem  “opta do” por diferentes desculpas ou motivos, pelo fato de gostar de ficar em casa, e, com isso,  cada vez mais não conseguem sair. Elas justificam para si próprias e para os outros que não querem fazer isso, mas, o que tenho percebido é que esse “ficar em casa” sobre um ponto de vista psicológico e teórico é que elas estão deprimidas e até desenvolvendo um estado de pânico.

Esse modo de ficar em casa é uma forma de refúgio, segurança e proteção; então me pergunto: será mesmo uma maneira de escamotear seus medos? De se “enganar”? De se expor de falar ou de se expressar? Por que sair? Se aqui estou “protegida” atrás dos meus muros, grades e portas? Por que sair se aqui ninguém vai me incomodar?

A casa representa nosso próprio eu, e qual será o medo que assombra a minha casa além de minha consciência? De sair e me expor, sair para ser “depredada/o”, massacrada/o pela sociedade?

Ou será o medo de me relacionar com alguém, de me entregar, de me mostrar? E ser realmente quem eu sou com meus defeitos, medos, anseios, virtudes e sentimento que nem eu conheço, e por que então me aprisiono em casa? Por que preciso me esconder? É mais forte que eu?

Sair de casa é sair para a guerra das cidades que todos os dias temos que enfrentar. A casa representa nosso refugio sim, um abrigo, mas ficando apenas dentro dela com certeza, não vamos ganhar a guerra.

Um bom guerreiro, mesmo se sentido sozinho,  luta para vencer para se  superar. Ele luta para vencer seus próprios medos, mesmo sabendo que pode contar com os “amigos emocionais invisíveis”  que nos protege dentro de nosso refugio.  Mas, precisamos aprender a colocar nossos escudos e espadas para poder encarar a guerra lá fora de casa, ou até mesmo de cara limpa sem reserva, medos, receios, e desta forma com toda certeza nos tornamos confiantes e vencedores sem depressão e sem pânico ou qualquer síndrome que nos paralise e nos impeça de procurar a felicidade de viver. Ismenia Woyame.

 Ismenia Woyame. Psicóloga e Psicoterapeuta

 

sexta-feira, 3 de julho de 2015

NOSSAS EMOÇÕES





As Emoções

“O corpo é o veículo dúctil ao pensamento, sujeito aos sentimentos e vitima das emoções”. Autor desconhecido

Já nascemos com o mecanismo emocional formado, porém, só ao longo da vida ou com o nosso desenvolvimento pessoal é que esse mecanismo vai se formando e se solidificando através de nosso meio social e cultural.
Somos mais, ou somos menos, emotivos porque culturalmente aprendemos a demonstrar ou não nossas emoções e sentimentos. As emoções fazem parte do nosso dia a dia e são elas que nos movem, nos paralisa, estimula e nos impulsiona. Elas regulam nosso humor nossas alegrias, tristezas, dores e raivas. São elas que nos fazem entender como nos mantemos nessa vida por que somos pura emoção e isso tudo faz parte de nossa essência.

As emoções são reações psicológicas que envolvem a excitação fisiológica controlada pelo sistema nervoso autônomo. A excitação fisiológica que ocorre quando acontece uma emoção é indistinguível, na maioria dos caos, tem uma maior ou menor intensidade dependendo da emoção e da causa. Assim temos uma descarga maior ou menor de hormônios dependendo dessa emoção.

As emoções são expressadas e reveladas não apenas na excitação física, mas também no comportamento expressivo como na linguagem não verbal variando  com a cultura e sociedade de cada individuo.






São muitas as emoções sentimentos, porém algumas são de origens primárias e básicas. Já nascemos com esse mecanismo e com o tempo se desenvolvem e costumamos reagir dessa forma.

Raiva é um sentimento emotivo ligado a situações negativas. Essa emoção vem de dentro junto com a irritação e nos leva muitas vezes a cometer atos insanos, mas, por outro lado esta energia dispendida para um lado positivo nos leva a tomar decisões contra situações injustas e assim nos fazer perseguir metas novas e construtivas. Cabe a nós saber usar essa energia positivamente. A raiva geralmente está ligada ao estresse e numa explosão de raiva nos sentimos poderosos enquanto os outros ficam temerosos e se afastam.

Medo tal como a raiva nos leva a comportamentos distintos, nestes casos fugimos ou encaramos, ele é uma descarga de adrenalina imensa, o sangue corre mais rápido para os músculos provocando movimentos rápidos, nos imobilizando ainda por pouco espaço de tempo nos permitindo a reação de luta ou fuga que nos provoca  uma sensação de alerta.

Amor vem de situações de satisfação física e psíquica, muitas vezes provocado por situações de afeição ou de satisfação sexual, ela implica na estimulação parassimpática. Ele vai na contra mão das emoções negativas e  nos acalma provocando um estado geral de satisfação nos impulsionando a proximidade ao invés da fuga.

Felicidade oriunda do amor, essa emoção inibe o aparecimento de sentimentos negativos favorecendo um aumento de energia e um prazer pela vida. Fisicamente provoca e nos causa tranquilidade e uma predisposição e motivação para execução de qualquer tarefa que surja.


Tristeza surge após momentos de perda de relacionamentos, trabalho, morte de um ente querido ou após decepções significativas. A tristeza consome um grande potencial de energia interna, levando muitas vezes a frustrações e doenças psicossomáticas como a depressão e outras síndromes.


Somos seres racional e emocional e para sermos saudáveis, precisamos harmonizar e equilibrar nosso lado emocional com o racional para que possamos atravessar todos os percalços que a vida nos apresenta. Ismenia Woyame.  Psicóloga psicoterapeuta.